Please reload

Notícias Recentes

Parceria entre AFCOP e Sindicado Rural de Valparaíso fomenta capacitação visando saúde, segurança e otimização dos recursos nas propriedades rurais

15/10/2019

1/7
Please reload

Notícias em Destaque

Poluição gerada no campo eleva os casos de doenças respiratórias

Com a falta de chuva no Oeste Paulista, a umidade relativa do ar em Presidente Prudente tem ficado bem abaixo dos índices recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Situação que faz aumentar os casos de alergias, rinite, sinusite. Mas, todos esses problemas não são causados apenas pelo tempo seco. A poluição é um dos fatores que também contribuem com o aumento no número de problemas respiratórios. E um estudo feito na região mostra que a principal fonte de poluição não está na cidade, e sim no campo, conforme aponta uma pesquisa.

 

As queimadas de cana de açúcar são restritas e tem sido as principais vilãs da população. Nesta semana, o Corpo de Bombeiros registrou um incêndio em um canavial em Ouro Verde, na Nova Alta Paulista. Cerca de 24.200 metros foram tomados pelas chamas. E essas queimadas, segundo a responsável pela pesquisa, Paula Pestana, por causa dos ventos, vão parar na cidade.

 

“Essa poluição fica presa na atmosfera. Juntamente com o calor e a umidade baixa. Esses poluentes ficam mais concentrados”, explica Paula Pestana.

O estudo avaliou as internações nos hospitais particulares de Prudente e também no Sistema Único de Saúde (SUS). De um total de 6.363 internações por doenças respiratórias e cardiovasculares, entre 2009 e 2012, 811 ocorreram no período de dezembro, janeiro e fevereiro, que são os meses que não tem a queima de cana na região.

 

Outras 5.552 pessoas foram internadas no período de março a novembro quando há queima da cana. Isso representa 82% da população internada durante a safra canavieira.

 

“Nós conseguimos observamos durante o estudo que se internavam mais pessoas por doenças respiratórias, que eram ocasionadas por esses efeitos. Por efeito à exposição desses poluentes gerados pela queima da cana de açúcar na cidade” , afirma a pesquisadora.

E quem é alérgico, então, sofre em dobro. A funcionária pública Cleusa Soares Azevedo Bonome tem sinusite, rinite e bronquite. Nem umidificador e os remédios têm ajudado a aliviar o mal estar provocado por essa secura toda.

 

“É a pele seca, o nariz ou escorrendo ou seco. Aí entope o nariz e você começa a respirar pela boca e resseca a garganta, é complicado, é difícil”, conta Cleusa.

 

 

Please reload

Siga-nos
Procurar por Tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Social Icon

Associação dos Fornecedores

de Cana da Região Oeste Paulista

SIGA-NOS:

  • Facebook Social Icon

Praça da Bandeira, 100 • Centro • CEP: 116880-000 • Valparaíso - SP • Tel.: (18) 3401-1015 • afcop@afcop.com.br